segunda-feira, 17 de junho de 2013

[Aquisição] The Complete Peanuts – 1959-1960 ~ Charles M. Schulz (Livro / Série de quadrinhos / Hardcover)


A minha coleção de The Complete Peanuts continua crescendo! Hoje recebi mais um livro: o 5º volume, correspondente ao biênio 1959-1960. Ao todo, comprei os cinco livros que compõem a primeira década, mas estão chegando aos poucos, separadamente, pois vêm de vendedores diferentes.

Talvez eu inicie a leitura desses livros a partir do ano que vem, levando em conta que a minha lista de espera de livros a serem lidos está enorme. Sobre esse livro em particular, fiz uma rápida e superficial leitura... Aquela de sondagem. O material linguístico é ótimo; e o gráfico, então... Maravilhoso!

Sou professora de língua portuguesa e uso muito quadrinhos (de todos os tipos) em minhas aulas. Fico me perguntando se os professores de língua inglesa também costumam usar esse gênero para o ensino do idioma. É um material riquíssimo. Acho importante no ensino de qualquer língua a interpretação de textos com uma linguagem mais conotativa.

* * *

Este post é breve, pois estou dedicando mais tempo livre à leitura e, além disso, estou muito atenta aos materiais que estão a circular sobre o que anda acontecendo pelo Brasil nos últimos dias. É um momento de ação, positivo, sem dúvida, mas que também carece de maior reflexão por todos os brasileiros, para que as próximas ações possam surtir efeitos com mudanças significativas, reais e palpáveis em nossas vidas. É só.

sábado, 15 de junho de 2013

[Aquisição] Eu sou um gato ~ Natsume Soseki (Estação Liberdade)


Desde que vi o livro Eu sou um gato (em japonês 吾輩は猫である) do renomado escritor japonês Natsume Soseki (1867–1916), pseudônimo de Natsume Kin'nosuke (夏目金之助), interessei-me por ele. Eu já sabia que iria ganhar esse livro como presente pelo “dia dos namorados” e estava muito ansiosa pela chegada dele. Infelizmente, como não estava em casa durante a semana para recebê-lo, só hoje é que realmente foi entregue.

Não é uma edição especial, nem tem nada que a torne indispensável para colecionadores de livros em geral, se for levado em conta apenas o aspecto gráfico (particularmente, acho a capa maravilhosa). Porém, como amante de obras literárias bem escritas, amante de gatos, amante da cultura japonesa, ter esse livro tornou-se mais do que uma necessidade. Sua aquisição, assim como a sua leitura passou a ser um dever.

Quando vi a capa, o título, logo conclui que precisava lê-lo. E depois de ter lido algumas críticas comparando o estilo narrativo com o de Machado de Assis, senti-me compelida a tê-lo em minha coleção e colocá-lo à frente de outros livros que estão em minha lista de leitura. Sempre espero por ele para abrir todas as encomendas que chegam, assim como ele também me espera. Mas com essa realmente não consegui esperar. E eu não estava sozinha! A Shiro me ajudou a abrir o pacote! [J]

Comecei a ler avidamente o primeiro capítulo logo que o pus em mãos. Não precisei ler muitos parágrafos para que a escrita e estilo do autor me cativassem. Já sinto pena de mim só de pensar que uma hora a leitura desse livro será concluída e sofrerei daquilo que chamam de “depressão pós-livro”. A propósito, quase que não consegui conter as lágrimas quando o narrador, o gato protagonista, fala de um ato cruel ocorrido com os filhos de Shiro, uma gata branca que é sua vizinha. [Sra. Spoiler manda abraço! Ah, vai... nem contei nada demais... J] 

Estou lendo tantos livros ao mesmo tempo que nem sei qual terminarei primeiro... Mas já me decidi: a primeira resenha do blog vai ser desse livro! 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

[Aquisição] F1 2012 + SENNA (PS3)


Não sou o tipo de pessoa que se apega ferrenhamente às datas comemorativas, de modo que não consegue passar por elas sem que dê ou receba alguma coisa. Contudo, costumo aproveitá-las sempre que posso e gosto de usá-las, de vez em quando, como pretexto para presentear as pessoas que gosto.

Em nosso caso, não precisamos desses pretextos para surpreender um ao outro com coisas legais. E as possibilidades são inúmeras. Aproveitei o “dia dos namorados” para dar a ele um jogo que ele desejava há alguns meses: a edição limitada da edição mais recente do jogo Fórmula 1.

F1 2012 vem acompanhado do filme SENNA em blu-ray. Além disso, não só a caixa, como também o jogo está totalmente em português. Isso inclui menus, legendas, manuais, vozes dos engenheiros e entrevistas. Ele adorou o presente. Acho que até eu vou aderir a essa jogatina!

domingo, 9 de junho de 2013

[Aquisição] Final Fantasy XII Collector’s Edition [PS2]


Essa semana foi tão cheia que nem tive tempo de atualizar o blog. Estava participando de um evento importante na minha cidade que acontece anualmente: o salão do livro. Há outras atividades também que andam tomando o meu tempo. Falarei sobre isso em outro texto. Vamos ao tema do post. Na terça passada (04), chegou mais um título que irá integrar o acervo pessoal de edições de colecionador: Final Fantasy XII Collector’s Edition. Esse é o jogo que eu mencionei na postagem sobre Yu-Gi-Oh!.  

Final Fantasy XII (ファイナルファンタジーXII) é um jogo de RPG desenvolvido e lançado – em 2006 no Japão e em 2007 na Europa – pela Square Enix para o console PlayStation 2. Foram lançadas duas versões do jogo: uma standard uma collector’s edition (de acordo com os bancos de dados que costumo acessar, essa edição saiu apenas nos Estados Unidos). Foi exatamente a segunda que adquirimos em abril e aguardávamos a sua chegada.

Altamente aclamado e elogiado pela crítica especializada, Final Fantasy XII obteve notas altíssimas (chegando a obter pontuação máxima em várias publicações) e ganhou diversos títulos em 2006: “Melhor jogo do PlayStation 2”, “Jogo do Ano”, “Melhor jogo de RPG” (GameSpot); “Jogo do Ano PS2”, “RPG do ano PS2” (GameSpy); “Melhor RPG do PS2”, “Jogo do ano PS2” (IGN); “Melhor jogo” (Edge Adwards, 2006); “RPG e Jogo do Ano” (10º Annual Interactive Achievement Awards – Academy of Interactive Arts & Sciences).

O design desse jogo é incrível e, segundo os próprios desenvolvedores, foi inspirado em elementos dos países medievais e mediterrâneos, tanto no estilo arquitetônico de Ivalice – mundo ambiente do jogo – quanto no estilo das personagens. Até mesmo as cutscenes das batalhas sofreram influência de aspectos culturais observados na Roma Antiga.

Quanto à trilha sonora, quem estava habituado com as composições de Nobuo Uematsu surpreendeu-se com o trabalho de Hitoshi Sakimoto, compositor de quase toda a OST do jogo. O tema “Kiss Me Good-Bye” foi composto por Nobuo exclusivamente para o título e ganhou vida na extraordinária voz de Angela Aki em duas versões: uma em língua japonesa e outra em língua inglesa. Não me estenderei muito neste tópico, pois merece um post exclusivo.

Assim como Yu-Gi-Oh!, essa edição não é nova, mas em ótimo estado. Comprada pelo eBay também a um preço razoável. Como disse anteriormente, a edição foi lançada nos Estados Unidos, portanto, o áudio é em inglês (uma pena mesmo). Ela é bem simples, como costumava ser a maioria das edições há alguns anos. Apesar disso, o conteúdo dela é bastante interessante. Mostrarei detalhes aqui em breve.

Um ótimo domingo!

domingo, 2 de junho de 2013

[Fora da Caixa] Dragon Ball ~ Mangás ~ Vol. 01 ao 06 (Panini)


Em novembro do ano passado, eu havia mostrado aqui os seis primeiros volumes do mangá Dragon Ball da edição que começou a ser publicada pela Panini em maio de 2012. Comprei esses volumes na intenção de presenteá-lo, porém, no mês seguinte (dezembro) encontrei a kanzenban (edição original em língua japonesa) à venda. Adquiri a coleção inteira de imediato e logo desisti de continuar a coleção da Panini.

Decidi que venderia os seis volumes, que ainda estavam lacrados, então, os guardei. Até fiz um anúncio e compartilhei com algumas pessoas via Facebook, mas não consegui vender. Sempre que eu olhava para as capas, me dava uma vontade de abrir e ler... [J] Depois de um semestre, desisti de tentar vender esses volumes. Hoje, retirei os mangás do pacote e do plástico protetor para poder compartilhar minha opinião sobre os meus exemplares.

A edição da Panini segue o design das novas capas redesenhadas e lançadas em 2009 no Japão com poucas alterações. O desenho que se forma na lombada dos mangás, por exemplo, é o mesmo dessa versão (2009). Porém, as capas se assemelham às da outra mais antiga que não têm as letras enormes D e B, presentes na edição japonesa de 2009. Ainda bem, pois esse detalhe não me agradou muito. Os números dos volumes estão dentro de uma esfera (uma dragon ball). Até as barras horizontais no cabeçalho das capas lembram muito a edição japonesa (mais antiga).

Volume 01 da edição japonesa de Dragon Ball mais antiga

Volume 01 da edição japonesa de Dragon Ball mais recente (2009)


Em suma... Gostei muito do design de capas da Panini para Dragon Ball: a fonte escolhida para o título, o formato dela e as cores utilizadas. De uma coisa eu não gostei: só consigo alinhar o desenho que se forma com as lombadas, se os volumes forem posicionados de modo irregular. Não sei se esse problema é só nos meus exemplares ou se é uma falha mesmo de impressão em todos os volumes.

Na semana passada, fiz a compra dos volumes 07 ao 12. Em breve espero que cheguem. Agora, a minha lista de leitura ficou maior!


quinta-feira, 30 de maio de 2013

[Fora da Caixa] Yū☆Yū☆Hakusho (幽☆遊☆白書) ~ Kanzenban (完全版) ~ Vol. 01 ao 15 ~ (Yoshihiro Togashi - 冨樫 義博)


Neste post falarei mais detalhadamente sobre a coleção de mangás de Hakusho em formato Kanzenban, edição japonesa adquirida há algumas semanas. Conforme eu disse anteriormente, o conjunto foi comprado em abril e chegou nesse mesmo mês, poucos dias depois. Antes de falar sobre essa compra e como os mangás chegaram, vou comentar um pouco sobre a série, apesar de duvidar que você não a conheça.

Hakusho ~ o mangá e o anime

Hakusho (em japonês 白書) é uma série escrita e também desenhada por Yoshihiro Togashi (冨樫 義 ~ Togashi Yoshihiro) – mesmo autor de Hunter x Hunter – e adaptada posteriormente para anime (Estúdio Pierrot) com 112 episódios exibidos no Japão de outubro de 1992 a janeiro de 1995.  A série foi publicada primeiramente na revista Weekly Shōnen Jump (Editora Shueisha) de dezembro de 1990 a julho de 1994 e também compilada em mangá com 19 volumes em formato tankōbon (contendo ao todo 175 capítulos), de abril de 1991 a dezembro de 1994. Todas as capas dessa primeira edição do mangá podem ser vistas aqui.

Dez anos depois da última publicação, o autor relançou o mangá num formato maior com mais capítulos por volume, capas diferentes, páginas coloridas em um conjunto de 15 volumes – de agosto de 2004 a março de 2005. No Brasil, a editora JBC publicou o mangá com 38 volumes entre os anos de 2002 e 2004.  Recentemente (novembro de 2010 a outubro de 2011), o mangá foi publicado em formato bunkōbon – (formato pequeno, mais acessível, prático – “de bolso”). A nossa edição é a kanzenban, e é sobre ela que vou falar mais um pouco.

Sobre o formato comprado: Kanzenban

Confesso que alguns mangás no formato kanzenban não me interessam tanto quanto o formato tankōbon, apesar deste ser de qualidade um pouco inferior e com páginas não coloridas. Mas, indiscutivelmente, essa edição em kanzenban de YūHakusho é fantástica! As capas, as ilustrações, a textura delas, o papel, a gramatura, as cores... uma edição linda, linda, linda demais! Há algum tempo que ele expressava o desejo de comprar a coleção inteira de mangás de YūHakusho e quando vimos todos os volumes disponíveis ainda na Amazon (japonesa), nem nos demos ao trabalho de procurar anúncios da edição tankōbon.  São 15 volumes, todos com jacket e algumas páginas internas são totalmente coloridas. O papel tem qualidade superior tanto na gramatura quanto na impressão.

Valores: custo do mangá + taxas de envio e manuseio

Vamos falar agora de valores. Eu costumo dizer que essa coisa de “barato” e “caro” é relativa, pois depende de diversos fatores. Cada volume (novo) custa ¥ 1.200. Faça as contas: 15 volumes a ¥ 1.200 dá ¥ 18.000. Em real, isso custa algo em torno de R$ 377,00 (valor aproximado ~ lembrando que a taxa de câmbio varia conforme o dia). Ou seja, cada volume custou em média uns R$ 25,00. Se formos levar em conta o preço dos mangás no Brasil, e levando em conta também que isso é uma kanzenban, sim, isso é barato! Porém, porém, porém... O preço que mencionei não considerou os valores de “custo de envio e taxas”, que vai depender da distância, local para o qual será enviado o produto. Ah, aí, o preço fica um pouco mais “salgado”. Mas ainda assim, vale a pena!

Essa custou uns R$ 525,00. Cada volume, então, custou em média uns R$ 35,00. É barato? É caro? Depende do quanto você está disposto a desembolsar por uma edição dessas; Depende do quanto você é fã da série; Depende se você tem interesse em ler um mangá todo em japonês; Depende... Enfim, é pessoal. Eu acho que o preço é razoável. E como se trata de um produto que não está à venda no Brasil, que se esgota rápido e que nós queríamos muito, o preço pago foi bem investido. Além disso, não sei se influenciou no valor das taxas extras, mas a Amazon mandou os mangás em duas remessas, isto é, para cada remessa foi cobrada uma taxa diferente que, creio eu, talvez tenha relação com a quantidade de itens.

Condições de chegada da encomenda

As duas remessas chegaram no mesmo dia. Na primeira caixa vieram os volumes 1, 4, 5, 6, 7, 10, 11, 12, 13, 14 e 15. Na segunda caixa, os volumes 2, 3, 8 e 9. A primeira caixa que veio é e-nor-me e os mangás só não vieram saracoteando porque estavam envoltos num plástico que os prendia a uma estrutura de papelão colada ao fundo da caixa. Mesmo assim, não foi o suficiente. “Inexplicavelmente”, esse plástico que é bem resistente cedeu e rasgou. Alguns mangás escapuliram da embalagem plástica para dentro da caixa e algumas das tirinhas (Como é o nome daquilo? Meu sensei de língua japonesa até me disse, mas eu esqueci o nome) com propaganda por cima da jacket infelizmente romperam [L]. Parece uma bobagem da minha parte... Mas eu guardo até mesmo aquilo. E não ligo para a opinião de quem pensa o contrário. [XD]

Fora esse detalhe “trágico”, os mangás chegaram em boas condições (ainda bem!). Sem amassados, sem rasuras, sem dobras... Ufa! E o mais importante: chegaram bem rápido! Compramos no dia 05 de abril e recebemos as duas caixas exatamente 10 dias depois – 15 de abril. Selecionei algumas fotos da abertura da caixa e mais algumas com detalhes da edição. Farei ainda (não tão breve) uma análise desse conjunto, falando de aspectos (externos e internos) que não foram mencionados neste texto.





Algumas outras fotos podem vistas neste álbum no Flickr. Até!